Prémio José Medeiros Ferreira

Clique para descarregar regulamento

O Prémio José Medeiros Ferreira visa homenagear o ministro dos Negócios Estrangeiros responsável pela adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia, através da atribuição de um prémio no valor de 5.000€.

Os trabalhos a concurso deverão ser nas seguintes áreas: história europeia, integração europeia, Portugal e a União Europeia, democracia e cidadania europeia ou relações externas da União Europeia.

Os trabalhos deverão ser submetidos até 30 de setembro de 2016 (sem limite de caracteres e/ou páginas) ao cuidado do Instituto Europeu da Faculdade de Direito de Lisboa.

Para mais informações, consulte o regulamento do concurso.

 

Pequena biografia de José Medeiros Ferreira

Historiador, Político e Professor Universitário viveu entre 1942 e 2014. Conhecido pelos méritos enquanto historiador e resistente à ditadura, depois da Revolução de 25 de Abril de 1974 assumiu os cargos de Ministro dos Negócios Estrangeiros (1976-1977), deputado à Assembleia Constituinte, à Assembleia da República (em várias legislaturas) e ao Parlamento Europeu. Foi o responsável governamental pela preparação diplomática do pedido de adesão de Portugal à CEE (Março de 1977), época em que Mário Soares era primeiro-ministro. Assinou igualmente a entrada da República Portuguesa no Conselho da Europa, em 1976. O cidadão que divulgou a democracia e a liberdade.

Dirigente associativo nas lutas estudantis contra a ditadura salazarista (1961-1965), foi expulso de todas as Universidades do País, pelo período de três anos, devido à sua atividade contra o regime ditatorial. Prosseguiu então os seus estudos no exílio, em Genebra, em cuja universidade se licenciou em História e trabalhou como assistente – um percurso apenas interrompido pela revolução dos Cravos. Foi também com António Barreto, Ana Benavente, Eurico de Figueiredo e Manuel de Lucena, entre outros, um dos dinamizadores da revista “Polémica”, uma das principais publicações da diáspora oposicionista portuguesa do início da década de 1970.

Foi um dos primeiros historiadores a tratar o período da Revolução e da transição democrática de uma forma academicamente mais rigorosa, abordagem que encontra a sua expressão máxima na obra “Portugal em Transe”, o volume VIII da História de Portugal dirigida pelo Professor José Mattoso. A sua tese de doutoramento “O Comportamento Político dos Militares” (1992) abriu novas perspetivas para o estudo das forças armadas no Portugal contemporâneo e constitui, ainda hoje, uma obra de referência. Em Novembro de 2013 publicaria uma obra que, de forma exemplar, testemunha o seu espírito livre e desassombrado, “Não Há Mapa Cor-de-Rosa. A História (Mal)Dita da Integração Europeia”, uma releitura crítica de vários episódios da construção europeia e do papel que as elites portuguesas perpetraram.

Em termos académicos, José Medeiros Ferreira desenvolveu as suas atividades sobretudo no departamento de História da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, onde ingressou em 1981, a convite do Professor Oliveira Marques, e de onde se aposentou em 2008, como Professor Associado. Os vários seminários de Mestrado que dirigiu nos anos 1980 deram um importante impulso à renovação da História das Relações Internacionais em Portugal, uma das suas áreas de eleição, juntamente com a História Institucional e Política e os Estudos de Segurança.